SJPAM encerra ano com Roda de Conversa e Confraternização nesta sexta (20)

Falta de sinal de Internet, informação desencontrada, localização exata no meio da floresta, além das condições climáticas como calor, fumaça, entre outras intempéries. Fazer cobertura jornalística na Amazônia é um desafio grandioso. E como encontrar soluções para estes problemas? Essas e outras curiosidades serão a tônica da Roda de Conversa “Queimadas na Amazônia” que acontece nesta sexta-feira, 20/12, a partir das 19h, no auditório Arlindo Porto, sede do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Amazonas (SJPAM), localizado na Praça Santos Dumont, nº 15, Centro.

Logo após o evento, haverá festa de confraternização dos jornalistas e radialistas, aberta a todos. O evento é gratuito e tem por objetivo estimular a integração e interação entre as categorias que lutam no Estado contra a MP 905/2019, responsável pela extinção do registro profissional das categorias. A roda de conversa “Queimadas na Amazônia” é um evento idealizado pelas comissões de Repórter Fotográfico e Repórter Cinematográfico do SJPAM. De acordo com um dos participantes, Orlando Jr, o evento foi pensado para socializar o conhecimento e os detalhes desse tipo de cobertura no interior do Estado. Para isso, ele irá mostrar fotografias de bastidores e dois vídeos realizados durante a cobertura que fez juntamente com o repórter Alexandre Hisayasu durante 12 dias no município de Apuí (1.097 quilômetros ao sul de Manaus). “Vou mostrar o trajeto que fizemos: fomos para Porto Velho (RO), fretamos um avião e fomos sobrevoar uma área que estava queimando em Apuí, que naquele momento era uma região que o satélite informava q era a maior área. Depois fomos de Porto velho a Apuí, de carro, uma distância de mais de 600 quilômetros e lá acompanhamos o PrevFogo do Ibam, em várias ações de combate ao fogo. Quase nosso trabalho foi em vão: tivemos a sorte de encontrar Internet em uma escola que tinha o sinal há menos de um mês. Conseguimos mandar 10 reportagens que abasteceram todos os telejornais da Globo e da Rede Amazônica”, explicou. Orlando ressaltou ainda que o evento não é político, mas de fatos jornalísticos que foram registrados por ele e pelos repórteres fotográficos Bruno Kelly (Reuters) e Edmar Barros (Futura Press), que também vão expor seus trabalhos e dificuldades em situações diversas relacionadas às queimadas. Inicialmente, a roda de conversa estava agendada para o último dia 13/12, mas em função do falecimento do repórter fotográfico Alexandre Fonseca, membro da Comissão de Repórter Fotográfico, foi adiado para esta sexta-feira, 20/12, juntamente com a festa de confraternização dos jornalistas. Música, animação, salgados e bebida estão à espera da categoria a partir das 21h, na sede do SJPAM para um momento de confraternização. “A tônica é de união. Precisamos fortalecer nossos laços para mantermo-nos animados e fortes ante a luta em defesa da categoria. Esperamos todos os jornalistas e radialistas”, afirmou a presidente do SJPAM, Auxiliadora Tupinambá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *